Planos de Bolsonaro para o Comércio Exterior

Manchete do caderno de Economia do Globo de 17/11/18: Planos de Bolsonaro para o comércio exterior

Não pode ser plano de Bolsonaro, porque ele não entende de economia, nem do Guedes, que entende de economia.

Isso é jogada do PT para perturbar e sabotar a transição. E os jornais divulgam por terem sido comprados. Dias depois, em 19/11/18, um artigo da redação do Estadão reforça a mesma proposta
irresponsável e ainda cita estudo do IPEA corroborando essas ideias, como se o IPEA fosse capaz de produzir alguma proposta útil.

A SAE – Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República apresentou agora à equipe de transição, um plano de redução de tarifas que reduziria os preços. Assunto técnico, assinado e com responsabilidade de quem? Quais pessoas físicas, com seus nomes e funções, estão disponíveis para explicar à sociedade bem definido quais os objetivos a alcançar com esse plano? Esqueceram o dado principal que permite calcular numericamente o impacto da medida? Qual é o plano de redução numérica das tarifas – cronograma de prazos e valores? Forneçam isso ao Globo para o jornal publicar. E expliquem porque, com os preços exorbitantes aplicados durante todo o governo Temer, o plano não foi usado pelo governo durante os dois anos de mandato? Por que foi apresentado só agora para a equipe da transição?

Por favor, tenham Transparência. A sociedade tem o direito de saber e a Globo tem a responsabilidade de publicar. Atribuíram esse plano à equipe do Bolsonaro. Mentira! O plano é da SAE, desse governo, e o Globo se presta ao papel de publicar medidas que acelerariam a destruição do que restou da indústria desse país.

Com a redução das alíquotas de importação via Portarias do Ministro da Fazenda Mantega foram destruídas centenas de milhares de empresas no país e, consequentemente, foram extintos 14 milhões de empregos: empregos que não adianta procurar porque não existem mais os empregadores.

Estão propondo uma nova etapa do Plano Mantega de redução de tarifas? Para confundir jogam as consequências para a suposta desqualificação de 3 milhões de trabalhadores. Se a etapa for no mesmo nível das alterações impostas pelo Mantega, chegaremos a 30 milhões de desempregados.

O caos social resultante seria debitado ao governo Bolsonaro, o que dificilmente o manteria no poder e abriria novamente espaço para o PT e os comunistas no país. Para inventar a necessidade desse projeto, publicaram o gráfico dos “impactos” e o percentual das tarifas de importação.

Por que foram estabelecidas pelo governo nesses patamares? Exatamente para neutralizar o “impacto” dos maiores impostos do mundo, os 37% do custo-Brasil aplicados pelo governo em cima de tudo que se produz e vende nesse país. Produzir no Brasil custa, em impostos, 30% a mais do que em qualquer país do mundo.

Quem consegue competir acrescentando 37% de custo de seus produtos, contra os que chegam importados com imposto zero na origem? Desde que o Mantega implantou essa crise, a propaganda intensiva do governo joga a culpa na indústria (a culpa é sempre dos outros) de estar fechando por não ter competitividade, tecnologia e inovação, além de não dispor de operários qualificados. E os economistas e comentaristas, meros papagaios de repetição, continuam jogando a culpa da crise sobre a indústria nacional.

Como todos têm curso superior, para endossar um absurdo desses, pois a informação é do nível do fundamental, só com uma boa propina.

Guedes, esse é assunto de sua área! A equipe da transição está cheia de funcionários públicos aparelhados pelo PT. É melhor banir esses e chamar somente gente séria para a equipe. Na área financeira Guedes está se cercando somente de gente séria, mas ele será Ministro do Executivo e precisa de mais executivos com. Não existe funcionário público executivo, mesmo que tenha doutorado no exterior. Não conte com os “executivos” da FIESP, FIRJAN, ABDIB: foram corrompidos pelo atual governo e assistiram à destruição das centenas de milhares de empresas sem sequer defender seus associados.

Para ficarem calados foi-lhes oferecido as desonerações de impostos. Um lucro enorme sem fazer força. Aguarde a reação ao acabar com isso. Mas jogue duro, a desoneração é inconstitucional. Talvez industriais sérios do mercado concedam algum de seus executivos para lhe ajudar. Pergunte à Weg, ao grupo Votorantim, à ABIMAC, ao Amoedo.

Para Comércio Exterior convide o Presidente da Associação do Comércio Exterior do Brasil José Augusto de Castro, e talvez alguns de seus assessores. Gente séria e muito competente. Foi o único a declarar no jornal a verdade de nossa economia em relação ao comercio exterior: “O país não está preparado para uma abertura comercial. Primeiro é preciso reduzir o custo Brasil para que possamos ter condições de igualdade com nossos concorrentes. Se não estaremos beneficiando os fornecedores estrangeiros”. Ele sabe a realidade das coisas.

Guedes, o custo Brasil hoje em 37% pode ser reduzido para 18% imediatamente com a entrada em vigor da PEC do imposto único e com esse patamar de custo-Brasil, igual ao dos EUA, podemos competir com qualquer país do mundo. É a condição lógica proposta por José Augusto de Castro. Só depois da casa arrumada, pode-se abrir totalmente o país. Não haverá mais imposto local a compensar. Tudo livre.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s